Bring Me The Horizon está irreconhecível em seu novo disco, “amo”

Se você tiver um aspecto da banda britânica de Bring Me The Horizon, que sempre me chamou a atenção é como o que não mostram a mínima vontade de aderir a estilos, rótulos e fórmulas que já estão dando resultado.

Se às vezes os membros do grupo podem parecer até arrogante ao navegar por diferentes águas com forte convicção, sem se importar com as opiniões dos críticos e fãs, é claro que ele se refere não é a praia dos caras não.

Lá atrás, em 2004, o grupo começou a fazer o pesadíssimo e agressiva, como o disco de estreia de Count Your Bênçãos (2016) e mostra, e daí para a frente os horizontes (desculpem o trocadilho) só se expandiram para Oli Sykes e sua trupe.

Entre 2010 e 2013 o BMTH lançou um par de discos que marcaram sua carreira, com There Is a Hell, Believe Me I’ve Seen It. There Is a Heaven, Let’s Keep It a Secret. mostrando a então “nova” sonoridade da banda e Sempiternal, a consolidar-se com um álbum que se tornou um favorito dos fãs, e uma verdadeira amostra do que poderia apresentar melhor com a mistura de post-hardcore, rock alternativo e música eletrônica.

Acontece que, como se tornou comum, em 2015, vinho That’s The Spirit e um amor muito forte com a música pop, em um grande álbum, que estabeleceu as bases para o que ouvimos hoje, quatro anos depois, o mestre, o sexto disco de estúdio da carreira da banda de Sheffield.

Amo

mestre tem uma forte carga conceitual, já que Ele o batizou em Português como a conjugação do verbo “amar” tanto porque é casado com a modelo brasileira Violet Salls, como porque gostou da pronúncia de “emo”, que canta em “mother tongue” e se assemelha com “ammo”, que significa “munição” em Inglês.

A artilharia de Bring Me The Horizon, o mestre é variada, e a introdução com “i apologise if you feel something” já mostra que a música eletrônica, os efeitos na voz e as letras confessionais estão em evidência:

Eu peço desculpas se você sente algo
Mas amor é tudo o que temos, de sentir algo (eu sei)
Ou se eu roubar algo, por favor, lembre-se de que era a minha
Realmente algo

A explosiva “Mantra” da então as caras e é um dos muitos pontos em que o Bring Me The Horizon lembra de suas versões anteriores, com grandes riffs de guitarra e vocais que alternam entre a calma e a tempestade.

Outros momentos semelhantes dão-se em sons, como a excelente “sugar honey ice & tea”, “heavy metal” e “wonderful life”, que tem a curiosa, atraente e segura participação de Dani Filth, o vocalista da banda inglesa de metal extremo, Cradle Of Filth.

Acontece que entre essas pistas, há uma extensa paleta de cores exploradas pela banda e elas vão do pop (como “medicine”, e “in the dark”, com suas guitarras inofensivas) até as experimentações eletrônicas em que as coisas ficam escuras e realmente interessantes, como em “nihilist blues” com a talentosa e criativa Grimes, a tag “ouch”, “why you gotta kick when i’m down?” e “fresh bruises”.

Os ritmos eletrônicos aliadas a elementos orgânicos mostram que a banda se deu conta da sonoridade ao seu redor e decidiu abraçar a sua arte mandando, mais uma vez, a clara mensagem de que cada nova fase de Bring Me The Horizon será uma grande aventura.

Aventura que eu amo, que depois de tantos endereços e curvas chega até “i don’t know what to say”, épico última música que começa com cordas, tem quase seis minutos de duração e encerra o conto moderno sobre o amor em estilo grandioso, com um toque de ópera-rock.

O Bring Me The Horizon é um grupo que soube, como poucos, de jogar bem com a fama e a indústria da música. Quando suas canções fizeram sucesso, e a fórmula deu certo, entenderam perfeitamente que ela tinha dado de validade, e a subverteram, antes de chegar à final. Mais de uma vez.

Eu Amo o desenho a liberdade criativa total de um grupo, sem amarras, que atribuiu à sua volta no disco anterior e agora se entregou de corpo e alma ao mundo, sem medo de ser feliz. Golaço.

Fonte: TMDQA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *