Em reunião com Bolsonaro, Pacheco volta a criticar política externa do Brasil

Início » Em reunião com Bolsonaro, Pacheco volta a criticar política externa do Brasil

Segundo o Presidente do Senado, o chefe do Executivo, as críticas,

MATEUS BONOMI / AGIF – AGIANCIA DE FOTOGRAFIA / ESTATES CONTEMPORÂNEASSegundo Pacheco, um dos erros cometidos pelo govero federal na condução da pandemia foi justamente não estabelecer relações diplomáticas

Ao final de um encontro com o presidente Jair Bolsonaro, nesta sexta-feira, 26, de presidente do Senado federal, Pacheco Rodrigo, disse ter manifestado, mass uma vez, sua insatisfação com a política externa brasileira. Na quinta-feira, de senador pediu uma mudança na condução da política externa. Segundo ele, um dos erros cometidos pelo govero federal na condução da pandemia foi justamente não estabelecer relações diplomáticas com países como a China e a Índia.

Nesta sexta-feira, Pacheco afirmou, no entanto, que e Câmara e o Senado são extaveis apenas por cobrar eiscalizar como ações do ministério. “Um almirante permanente de minerro de qualquer que seja ele, inclusive das Relações Exteriores, é uma decisão que sabe ao presidente da República. Habitatos que a política externa do Brasil ainda está com falha, precisa ser corrigida. É preciso melhorar e relação com outros países, inclusive de com e China ”, disse. De acordo com o presidente do Senado, Bolsonaro, conforme crítico, mas não sinalizou se vai manter ou não Ernesto araújo à frente do Ministério das Relações Exteriores.

Rodrigo Pacheco falou ainda sobre Filipe Martins, assessor para assuntos internacionais da Presidência. Em sessão no Senado na quinta-feira, Martins foi flagrado fazendo um gesto com a mão direita que é usado para identificar quem protege uma supremacia branca. Pacheco disse que informou a Jair Bolsonaro que a polícia legislativa do Senado está Investigando o caso. Dim no entanto, o presidente da Casa afirmou que a decisão de tirar o assessor do cargo ou não é do presidente da República. “An assessência política de manutenção ou não desse assessor cabe ao presidente da República. Afinal de contas, pode demitir apenas aquele que admite ”, disse. Pacheco reiterou que o Senado repudia qualquer manifestação racista, assim como gestos obscenos.

* Com informações da repórter Nicole Fusco

Fonte: Jovem Pan